Dialetologia e Diacronia

O grupo Dialetologia e Diacronia estuda a variação linguística no espaço e no tempo, sob diferentes perspetivas teóricas e abrangendo diversas áreas da gramática. Tem como objetivo geral ampliar o conhecimento sobre as propriedades das línguas naturais, com a particularidade de centrar a sua investigação em variedades linguísticas não padrão. Este traço distintivo traduz-se na produção de resultados em duas linhas complementares.

Geolinguística: design, construção e disponibilização de recursos (edições de textos, léxicos, atlas linguísticos e corpora anotados) para suportar a descrição e compreensão de variedades históricas e contemporâneas do português, e ainda de outras variedades linguísticas relacionadas (caso das variedades do caboverdiano).

Linguística teórica: análise de dados de variação linguística, em particular no âmbito da sintaxe e da semântica comparadas, à luz de propostas científicas que permitem melhor compreender a linguagem humana.

Estas duas linhas de produção funcionam aqui em articulação estreita, tanto do ponto de vista interno à criação dos diferentes recursos como quanto à base empírica que estes proporcionam a muitos dos trabalhos científicos dos seus membros e colaboradores. De facto, princípios e procedimentos da área das humanidades digitais são partilhados por diferentes corpora geridos pela equipa, estando estes igualmente codificados em XML e alojados na plataforma TEITOK: um deles suportado por uma vasta coleção de textos de escrita quotidiana da idade moderna; outros suportados por um extenso arquivo sonoro de variedades do português contemporâneo; e um outro ainda suportado por um arquivo sonoro de variedades contemporâneas do caboverdiano. Ao mesmo tempo, investigadores do grupo utilizam com frequência estes mesmos recursos para explorar uma grande diversidade de tópicos, sob diferentes ângulos e para diversos fins.

Todas as ferramentas digitais são assim concebidas com esse horizonte multidisciplinar, facultando complexas camadas de anotação linguística em paralelo com informação não linguística relevante, bem como uma vasta gama de possibilidades de busca automática acessíveis a toda a comunidade.

Artigo em Revista
Martins, A. M. (2011). Clíticos na história do português à luz do teatro vicentino. Estudos De Lingüística Galega, 3, 55-83.
Hornstein, N., Martins, A. M., & Nunes, J. (2008). Perception and Causative Structures in English and European Portuguese: Φ-feature Agreement and the Distribution of Bare and Prepositional Infinitives. Syntax 11.
Hornstein, N., Martins, A. M., & Nunes, J. (2006). Infinitival complements of perception and causative verbs: a case study on agreement and intervention effects in English and European Portuguese. University Of Maryland Working Papers In Linguistics, 14, 81-110.
Martins, A. M., & Nunes, J. (2006). Raising issues in Brazilian and European Portuguese. Journal Of Portuguese Linguistics, 4, 53-77.
Martins, A. M. (2005). Emphatic affirmation. .
Batllori, M., Iglésias, N., & Martins, A. M. (2005). Sintaxi dels clítics pronominals en català medieval. Caplletra, Revista Internacional De Filologia, 38, 137-177.
Martins, A. M. (1998). On the Need of Underspecified Features in Syntax. Polarity As A Case Study. Glow Newsletter, 40, 46-47.
Martins, A. M. (1997). Mudança sintáctica: clíticos. Negação E Um Pouquinho De Scrambling. Estudos Lingüísticos E Literários, 19, 129-161.
Martins, A. M. (1994). Enclisis, VP-deletion and the nature of Sigma. Probus, 6, 173-205.
Contini, M., Martins, A. M., & Vitorino, G. (1987). L Analyse phonologique des parlers romans dans le cadre de l ALIR . Géolinguistique, 3, 51-88.
Martins, A. M., & Vitorino, G. (1984). Les désignations de l´hirondelle dans les parlers romans (ALE. 114). Géolinguistique, 1, 129-154.
Mota, M. A., Miguel, M., & Mendes, A. (2012). A concordância de p6 em português falado. Os traços pronominais e os traços de concordância . Papia, 22 (1), 161-187.
Costa, J., & Pereira, S. (2013). A gente: pronominal status and agreement revisited. The Linguistic Review 30.
Martins, F., Simões, D., Brissos, F., & Rodrigues, C. (2014). A Fonética Forense na produção de prova no ordenamento jurídico português. Revista Virtual De Estudos Da Linguagem - Revel 12, 23, edição temática de Linguística Forense(70).
Marquilhas, R., Costa, A. L., Pinto, C., Pratas, F., & Vaamonde, G. (2014). Post Scriptum: Archivo Digital de Escritura Cotidiana en Portugal y España en la Época Moderna. Janus [En Línea], Anexo 1, Humanidades Digitales: desafíos, logros y perspectivas de futuro. Retrieved from https://www.janusdigital.es/anexo.htm?id=5 (Original work published 04/2014AD)
Costa, A. L. (2012). Book review «Ackerlind. S. & R. Jones Kellogg, Portuguese. A Reference Manual. Austin: University Of Texas Press». Journal Of Portuguese Linguistics, 11.
Carrilho, E. (2012). Syntactic Microvariation in Westmost European Languages. .
Carrilho, E. (2012). First Dialectologists: José Leite de Vasconcelos. Dialectologia, 9, 135-141.
Carrilho, E., & Pereira, S. (2010). Review on the VIth Congress of Dialectology and Geolinguistics. Dialectologia, 4, 111-120.
Carrilho, E. (2009). Sobre o expletivo ele em português europeu. Estudos De Lingüística Galega, 1, 7-26.
Leitão, A. (2014). Sentidos da instrução dos ameríndios em língua portuguesa (séculos XVI a XVIII). História Questões & Debates - Dossiê - Cultura Escrita, Educação E Instrução No Antigo Regime Português 60. Retrieved from http://dx.doi.org/10.5380/his.v60i1
Leitão, A. (2009). O significado da expulsão dos jesuítas na educação brasileira. Revista Brotéria 169.
Vitorino, G. (1990). L Atlas Linguístico do Litoral Português (ALLP) - I. Fauna E Flora. Essai D Analyse Dialectométrique. Géolinguistique, Bulletin Du Centre De Dialectologie, Iv:, 15-91.
Nunes, N. (2014). Variação social e vitalidade de alguns regionalismos madeirenses no Português falado na cidade do Funchal. Confluência, Revista Do Instituto De Língua Portuguesa, 46, 335-370. Retrieved from http://llp.bibliopolis.info/confluencia/pdf/3363.pdf
Nunes, N. (2006). Madeirensismos na terminologia açucareira actual das Canárias. Estudios Portugueses, Revista De Filología Portuguesa Da Universidade De Salamanca, 6, 45-56.
Nunes, N. (2006). Projeto RITerm Jovem: Terminologia Açucareira Ibero-Americana. Conclusões. Revista Debate Terminológico, 2. Retrieved from http://seer.ufrgs.br/index.php/riterm/article/view/22210/12906
Nunes, N. (2005). Projeto RITerm Jovem: Terminologia Açucareira Ibero-Americana. Revista Debate Terminológico 1. Catalunha: Rede Ibero-Americana De Terminologia (Riterm). Issn:, 1813-1867. Retrieved from http://seer.ufrgs.br/index.php/riterm/article/view/21436/12351
Mota, M. A. (1995). Le système des temps et des modes en portugais. Contribution À L Établissement D Une Terminologie Romane. Travaux De Linguistique, 31, 105-18.
Mota, M. A. (2001). O Português na fronteira com o Galego. Revista De Filologia Românica, 18, 103-115.
Mota, M. A. (2003). Concordancia en el portugués hablado europeo y brasileño. Nueva Revista Del Pacífico, 18, 21-32.