Equipa:

Celeste Augusto (Univ. de Utrecht)

Ernestina Carrilho (Investigadora Responsável após 2008)

Gabriela Vitorino

João Saramago

Manuela Barros Ferreira (Investigadora Responsável até 2008)

Financiamento:

Sem financiamento externo específico

 

O projecto ALE - Atlas Linguarum Europae engloba todas as línguas da Europa e a maioria dos respectivos dialectos, nele participando 51 equipas de investigação. Instituído oficialmente na Holanda, em 1970, a sua fase de publicação foi iniciada em 1975. Cada "fascículo" deste atlas é constituído por dois volumes, um de mapas, outro de comentários. Os fascículos até agora publicados (cinco) foram consagrados ao léxico, apresentando os dados referentes às seguintes 43 noções: sol, lua, nuvem, nevoeiro, arco-íris, vento, relâmpago, raio, trovão, chove, granizo, pingo de gelo, neve, charco, represa, lago, ribeiro, mar, serra, cobre, estanho, chumbo, carvalho, vidoeiro, choupo, pinheiro, zimbro, ramo, flor, Centaurea Cyanus, pepino, amora, pera, milho, cevada, girassol, gafanhoto, joaninha, borboleta, pirilampo, doninha, cão, Natal. A abordagem das denominações obtidas para estes conceitos em 2631 localidades europeias foi de carácter etimológico e motivacional. Este tipo de tratamento permitiu abrir um novo caminho para a compreensão da relação língua -cultura e estabelecer padrões de criação lexical estreitamente ligados à vivência histórica dos povos europeus. Este aspecto, o mais inovador deste projecto, é resumido no volume Atlas Linguarum Europae. Perspectives nouvelles en géolinguistique, Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato, Roma, 1998, capítulo "The cultural unity of Europe seen in the ALE", pp.1-10, da autoria de Mario Alinei. O volume contém igualmente uma apresentação detalhada dos grupos de línguas que compõem as seis "famílias" abrangidas pelo ALE: indo-europeia, urálica, altaica, semítica, caucásica e basca.
A colaboração portuguesa no ALE foi iniciada em meados de 1974 pelo Grupo de Estudos de Dialectologia do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (então Instituto de Linguística). Para este projecto foram feitos, em 1975, inquéritos em 53 aldeias portuguesas, segundo o Questionário, de cerca de 550 perguntas, que foi utilizado nos demais países europeus. Depois de elaboradas as sínteses nacionais das denominações de cerca de 300 conceitos, passou-se à fase de conjugação de sínteses a nível românico e, posteriormente, à elaboração de mapas e comentários a nível europeu.
As sínteses nacionais consistem na apresentação dos tipos lexicais recolhidos para cada conceito, com as suas sub-divisões morfológicas e fonológicas. Os tipos são estabelecidos com base na diferenciação etimológica, e os mapas resultantes são denominados "mapas onomasiológicos". Quando um conceito apresenta uma grande variação lexical (como é o caso de alguns insectos e plantas bravias), procede-se a um reagrumento das palavras por motivações, considerando-se "motivação" o significado das formas linguísticas pré-existentes que foram aproveitadas para criar uma dada palavra. Na totalidade das palavras existentes para um dado conceito, verificou-se que o número das respectivas motivações é geralmente menor do que o número das etimologias correspondentes. Quando se passa do nível nacional para o nível do grupo de línguas (no caso português, o das línguas românicas) e depois, ao nível europeu, a cartografagem dos tipos lexicais - sempre feita através de símbolos - só pode ser de base etimológica se a variação lexical for relativamente reduzida. Quando um conceito apresenta uma variação lexical elevada, a multiplicação dos símbolos tornaria o mapa ilegível. Neste caso, a cartografagem motivacional substitui com vantagem a cartografagem etimológica.
As sínteses nacionais são da responsabilidade dos comités nacionais que colaboram no projecto. As sínteses de grupo de línguas e, por fim, os mapas e comentários a nível europeu são confiados a autores individuais.

 

Rede portuguesa do ALE:

1. Esposende (Braga) 
2. P
orto
3. Choças (V. do Castelo)
4. Sobreira (V. do Castelo)
5. Guimarães 
6. Marco de Canavezes
7. Cabeceiras de Basto (Br.)
8. Negrões (Vila Real)
9. Valença do Douro(Viseu)
10. Murça (Vila Real)
11. 
Sonim (Vila Real)
12. 
Pocinho (Guarda)
13. 
Macedo de Cavaleiros (Bragança)
14. 
Gimonde (Bragança)
15. 
Campo de Víboras (Bragança)
16. 
Mira (Coimbra)
17. 
Murtosa (Aveiro)
18. 
Penacova (Coimbra)
19. Arouca (Aveiro)
20. 
Figueiró dos Vinhos
21. 
Lajeosa do Dão (Viseu)
22. 
Avelal (Viseu)
23. 
Sabugueiro (Guarda)
24. 
Santo Estêvão (Guarda)
25. 
Monsanto (Cast. Branco)
26. 
Figueira de Castelo Rodrigo (Guarda)     
27. 
Nazaré (Leiria)

28. Vieira de Leiria (Leiria)
29. Vale de Santarém 
30. Mira d’Aire (Leiria)
31. Foros do Arrão (Portalegre)
32. Ferreira do Zêzere (Santarém)
33. Alpalhão (Portalegre)
34. Cabeço de Vide (Portalegre)
35. Tinalhas(Castelo Branco)
36. Assafora (Lisboa)
37. Lisboa
38. Palmela (Setúbal)
39. Canha (Setúbal)
40. Grândola (Setúbal)
41. Alcáçovas (Évora)
42. Peroguarda (Beja)
43. Arraiolos (Évora)
44. Carrapatelo (Évora)
45. S. Romão (Évora)
46. Porto Covo (Setúbal)
47. Zambujeira (Beja)
48. Salema (Faro)
49. Ourique (Beja)
51. Alte (Faro)
52. Fuzeta (Faro)
53. Mértola (Beja)
54. Serpa (Beja)

 

Publicações:

(1975) Weijnen, A. et al. Atlas Linguarum Europae. Introduction, Van Gorcum, Assen. 
(1976) Atlas Linguarum Europae. Premier Questionnaire, Van Gorcum, Assen /Amsterdam.
(1979) Atlas Linguarum Europae. Second Questionnaire, Van Gorcum, Assen.
(1983) Alinei, M. et al. Atlas Linguarum Europae. Volume I: Premier fascicule. Cartes et Commentaires,Van Gorcum, Assen.
(1986) Atlas Linguarum Europae. Volume I: Deuxième fascicule. Cartes et Commentaires, Van Gorcum, Assen/Maastricht.
(1988) Atlas Linguarum Europae. Volume I: Troisième fascicule. Cartes et Commentaires, Van Gorcum, Assen/ Maastricht.
(1990) Atlas Linguarum Europae. Volume I: Quatrième fascicule. Cartes et Commentaires, Van Gorcum, Assen/ Maastricht. 
(1997) Atlas Linguarum Europae. Volume I: Cinquième fascicule. Cartes et Commentaires, Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato, Roma.
(1997) Atlas Linguarum Europae. Perspectives nouvelles en Géolinguistique, Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato, Roma. 
(2002) Atlas Linguarum Europae. Volume I: Sixième fascicule. Cartes et Commentaires, Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato, Roma.
(2007) Atlas Linguarum Europae. Volume I: Septième fascicule. Cartes et Commentaires, Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato, Roma.

 

Mapas e comentários assinados por autores portugueses:

SARAMAGO, João e Gabriela VITORINO (1983) "QI:019 Grêle. Carte onomasiologique. Commentaire" in Atlas Linguarum Europae, Volume I: Premier fasciculeCommentaires, Van Gorcum, Assen, pp. 81-87; Carte I.10, in Atlas Linguarum EuropaeVolume I: Premier fasciculeCartes, Van Gorcum, Assen.

FERREIRA, Manuela Barros e Mario ALINEI (1990) "QI:126 Coccinelle. Cartes de motivations. Commentaire XXX", in Atlas Linguarum Europae. Volume I:  Quatrième fascicule, Commentaires, Van Gorcum, Assen/Maastricht, pp. 99-199; Cartes I.42, I.43, I.44, in Atlas Linguarum Europae, Volume I: Quatrième Fascicule, Cartes, Van Gorcum, Assen /Maastricht.

FERREIRA, Manuela Barros (1998) "QI:129 Ver luisant. Cartes de motivations. Commentaire XXXVIII", in Atlas Linguarum Europae, Volume I: Cinquième Fascicule, Commentaires, Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato, Roma, pp.195-252; "Carte I.56", "Carte I.57", "Carte I.58", in Atlas Linguarum Europae, Volume I: Cinquième Fascicule, Commentaires, Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato, Roma.