Parcerias:
Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (CLUL)
Departamento de Letras Vernáculas da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Equipa:
Amália Mendes  

Isabel Leiria 

Maria Antónia Mota (Investigador Responsável)

Matilde Miguel 

Sílvia Brandão

Sílvia Rodrigues (Investigador Responsável)

Financiamento:
Programa CAPES/GRICES

Início do Projecto:
1 de Março de 2008

 

Resumo:
Este projecto tem como objectivo o estudo comparativo dos padrões de concordância, quer ao nível da concordância entre o predicado verbal ou adjectival e o sujeito, quer ao nível da concordância interna às categorias nominais, nas variedades africanas, brasileiras e europeias. Para tal, foram fixadas as seguintes tarefas/objectivos:
1. Descrever os factos relativos a essa concordância, confrontando as variedades europeias com as variedades brasileiras, algumas das quais parece estarem a conhecer, na actualidade, uma mudança substancial na fixação do valor de certos padrões sintácticos, e com as variedades africanas (com base no corpus de variedades africanas do português do CLUL, disponibilizado no quadro do projecto Recursos Linguísticos para o Estudo das Variedades Africanas do Português). Esta descrição poderá permitir verificar se as tendências de mudança que parecem manifestar-se nas variedades africanas, ao nível da morfologia verbal e da concordância sujeito-verbo, apresentam propriedades próximas das descritas para a variedade brasileira.

2. Alargar o conjunto de dados relativos à concordância, internamente ao sintagma nominal, de modo a verificar se a concordância parcial, nesta categoria, ilustrada acima, para as variantes africanas, corresponde, efectivamente ao padrão identificado como padrão 1, na variedade brasileira.

3. Tentar esclarecer a eventual relação entre os fenómenos de concordância parcial, internamente às categorias nominais, e os fenómenos de concordância sujeito-verbo, nas variedades brasileiras, africanas e europeias.

4. Confirmar ou infirmar a pertinência da extensão às restantes variedades dos dois padrões dominantes na amostra fornecida em Naro & Scherre 2003.

5. Equacionar a relação entre a perda de concordância de sujeito para a direita, identificada para a variedade brasileira, e os dados paralelos, em variedades africanas, revelados pela amostragem acima; relacionar, eventualmente, o surgimento de formas em de, na expressão da relação de posse, para as posições pós-nominais, na variedade brasileira, com fenómenos de concordância entre o verbo e os sujeitos pós-verbais.

6. Investigar o papel desempenhado pela morfo-fonologia. A maioria dos estudos sobre a concordância tem dado ênfase a aspectos sintácticos. Contudo, existem fenómenos fonológicos relevantes para a concordância: tipos de sândi que ocorrem na fronteira dos constituintes funcionais e lexicais do sintagma nominal e verbal podem contribuir para esclarecer os fenómenos sintácticos.

Os resultados a que se pretende chegar deverão permitir
(i) fazer generalizações teóricas relativas a propriedades até agora tratadas como relacionadas a parâmetros distintos;
(ii) contribuir para a discussão sobre o facto português europeu, brasileiro e africano constituírem ou não gramáticas distintas;
(iii) comprovar hipóteses sobre as componentes da gramática activadas no desencadeamento dos vários padrões de concordância;
(iv) determinar os padrões mais recorrentes nas variedades estudadas, comparando-os entre si;
(v) contribuir para a fixação da variedade standard do português dos países africanos lusófonos.